BALEIA: PERSONA LITERÁRIA; PERSONA CINEMATOGRÁFICA: DO DISCURSO LITERÁRIO AO AUDIOVISUAL EM VIDAS SECAS.

  • Júlio César Borges BOMFIM
Palavras-chave: Literatura e Cinema. Adaptação cinematográfica. Narrativa e transmidialidade. Vidas secas. Literatura Comparada.

Resumo

Este artigo se propõe a fazer um estudo da estrutura e da questão narrativa das obras Vidas secas, livro de Graciliano Ramos e do filme homônimo de Nelson Pereira dos Santos, levando-se em consideração as diferenças entre os dois meios, os fenômenos decorrentes da adaptação, as circunstâncias de produção e a distância temporal entre as duas obras. Com foco na análise do capítulo “Baleia” e de sequências fílmicas equivalentes ao romance, o que pretendemos com este artigo é, valendo-se de diversos embasamentos teóricos ligados aos Estudos Comparados e à Literatura Comparada, chegar a uma leitura analítica focada na compreensão da construção das duas formas narrativas de Vidas secas: romance (livro / narrativa original / linguagem literária) e filme (produto final de uma releitura audiovisual / linguagem cinematográfica).

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Júlio César Borges BOMFIM

O Laboratório Editorial foi instituído com o objetivo de criar condições e oportunidades para a difusão de pesquisas e tornar públicos os resultados dos trabalhos do corpo docente da FFC. Constitui-se num órgão adjunto à Diretoria da FFC e vinculado à SAEPE, com o apoio da Seção Gráfica, da Diretoria, da Biblioteca, e das Seções de Finanças, Compras e Técnica Acadêmica. A função do Laboratório Editorial é a de assessorar, planejar, realizar e distribuir livros, periódicos e outras publicações elaboradas na FFC.

E-mail: labeditorial@marilia.unesp.br 

Publicado
2015-01-27
Como Citar
BOMFIM, J. C. (2015). BALEIA: PERSONA LITERÁRIA; PERSONA CINEMATOGRÁFICA: DO DISCURSO LITERÁRIO AO AUDIOVISUAL EM VIDAS SECAS. BALEIA NA REDE, 1(11). Recuperado de http://revistas.marilia.unesp.br/index.php/baleianarede/article/view/4616
Seção
Em Foco