DO SOCIALISMO REVOLUCIONÁRIO AO REFORMISMO CENTRISTA: O PARTIDO DOS TRABALHADORES E A ADEQUAÇÃO AO DISCURSO DOMINANTE (1994-2002)

Guilherme Augusto Batista CARVALHO

Resumo


O presente artigo tem o desafio de discutir a ambivalente relação entre chegada ao poder através de concessões aos setores conservadores da sociedade, prenunciada na chamada “carta ao povo brasileiro” e o discurso da disputa pelo poder baseado no argumento da busca por ganhos sociais relevantes, na qual parte da esquerda brasileira se encontra imersa desde a vitória do Partido dos Trabalhadores em 2002 na eleição presidencial no Brasil. Apresentamos aqui os atores e os principais acontecimentos que dão embasamento para a discussão proposta. Para dar fundamentação teórica, analisamos o caso à luz da teoria marxiana, buscando viabilizar reflexões a respeito da seguinte questão: alguns setores da esquerda brasileira, ao não realizarem rupturas estruturais no sistema de poder no país, tornaram o reformismo social e econômico uma forma conservadora de busca do poder, articulando o arrefecimento das tensões entre as classes? Concluímos que o reformismo proposto é um mecanismo de não abandono completo das propostas de busca por justiça social, no entanto, é a renúncia de qualquer possibilidade de mudanças estruturais, seja nos valores, na ordem ou na própria estrutura de dominação.


Palavras-chave


Esquerda;Partido;Eleição;Conservadorismo;

Texto completo:

PDF