Arquitetura do lugar: o espaço como produtor de subjetividade

  • Isabella Valino Teixeira de Bessa Faculdade de Filosofia e Ciências (FFC) – UNESP/campus de Marília
Palavras-chave: Espaço, Experiência, Subjetividade

Resumo

Esse artigo tem por objetivo analisar como a arquitetura influencia no processo de subjetividade do individuo, desde como esse se organiza dentro do espaço privativo como quando começa a se desenvolver a partir do rompimento de regras e do uso não programado do espaço social/compartilhado. Para tanto propõe-se analisar a diferença de ver o espaço e viver o espaço, visto que, viver o espaço é saber da possibilidade do encontro, das experiências, dos ritmos, dando sentido à ele até que o mesmo torne-se um “lugar”. Para tanto, parte-se da questão: O espaço enquanto obra arquitetônica experienciada é capaz produzir subjetividade individual e coletiva. Nossa hipótese é a de que quando compreendemos o espaço como possibilidade de experiências, damos a ele sentido de lugar, ou seja, produzindo assim singularidades capazes de proporcionar autenticidade nas relações estabelecidas tanto sociais, como também de pertencimento individuais. Metodologicamente, busca-se apoio teórico nos conceitos de Sujeito e Subjetividade (GONZALES REY, 2005).

Submissão: 23/03/2019

Aceito: 01/05/2019

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Isabella Valino Teixeira de Bessa, Faculdade de Filosofia e Ciências (FFC) – UNESP/campus de Marília

Aluna regular do Programa de Pós-Graduação em Educação na UNESP/Marília (Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho”). Bacharela em Arquitetura e Urbanismo pelo Centro Universitário de Votuporanga (UNIFEV). Votuporanga, São Paulo, Brasil.

Publicado
2019-12-20
Seção
Artigos de Pesquisa