ANALISE DO PROGRAMA MAIS ALFABETIZAÇÃO - PRECARIZAÇÃO NA FORMAÇÃO E TRABALHO DOCENTE

PRECARIZAÇÃO NA FORMAÇÃO E TRABALHO DOCENTE

  • Aline Cristina de Assis Moraes UNESP
Palavras-chave: Educação Básica, Políticas Educacionais, Neoliberalismo, Formação Docente, Pedagogia Histórico Crítica

Resumo

Este artigo trata da Análise do Programa Mais Alfabetização (2017- 2018), instituído pela Portaria MEC n ° 142 em 22 fevereiro de 2018, como meio de auxilio as unidades escolares de educação básica, do 1° ao 2° ano, no processo de alfabetização do Ensino Fundamental I da Rede Pública, em concomitância com Base Nacional Comum Curricular. Nosso objetivo é analisar programa, perante a concepção de formação docente e alfabetização, apontando para tendência neoliberal, qual resulta na precarização do trabalho docente e da cultura letrada acessada pelas crianças, na alfabetização leitura e escrita. Trazemos ao debate concepção unilateral do Programa, advoga na contramão do saber ominilateral, resultante da Política de Alfabetização do governo evidenciado (2017-2018) e suas consequência para educação pública brasileira. Os procedimentos do estudo foram a pesquisa bibliográfica, nos documentos de referência do programa e da Política de Alfabetização, no tocante a formação docente, relação trabalho e alfabetização. Metodologia no referencial bibliográfico, da Pedagogia Histórico Critica, Saviani (1989), evidenciando que Mais Alfabetização, precariza formação docente e acesso a cultura letrada, na aquisição das primeiras letras e corrobora a concepção neoliberal, no esvaziamento da escola pública brasileira

Palavras-chave: Educação Básica – Políticas Educacionais – Neoliberalismo – Formação Docente- Pedagogia Histórico Critica.

Downloads

Não há dados estatísticos.
Publicado
2019-07-26
Seção
Artigos de Pesquisa